O que é e como trabalhar com a robótica educacional?

O que é e como trabalhar com a robótica educacional?

Existem diversas formas de fazer crianças e o jovens desenvolverem raciocínio lógico, espírito de equipe e criatividade, além dos projetos que podem ser criados nas disciplinas regulares. Esta é a proposta que a robótica educacional defende: a união de vários conceitos importantes para a formação social do aluno por meio de atividades que complementam o currículo escolar.

Normalmente, esses conceitos de coletividade e lógica são trabalhados, na robótica para crianças, durante a produção de algum protótipo. Isto é, um experimento, tanto teórico quanto prático, desenvolvido pelos alunos em parceria com o professor. Este, ao propor um problema a ser resolvido, guia os alunos em equipes até que o produto final esteja pronto.

O que se pode aprender com a robótica educacional?

O estudo da robótica educacional é, de fato, básico e simplificado para as crianças. O foco não é criar grandes invenções revolucionárias (por mais que nunca devemos duvidar da capacidade inventiva dos alunos), mas fazê-los olharem para os produtos tecnológicos com outros olhos, indo além do “consumo pelo consumo”, vendo o que há por trás de toda tecnologia que faz parte do nosso dia a dia, deixando de ser, assim, apenas consumidores passivos.

Além disso, listamos outros motivos pelos quais a robótica educacional é importante para auxiliar no aprendizado do aluno.

Protótipos normalmente funcionam com comandos básicos de ação e reação. É preciso “ensinar” o pequeno robô a responder a determinados estímulos. Dessa forma, o raciocínio lógico dos alunos é aguçado justamente com esse questionamento – ou seja, “qual a melhor forma de dar comandos para meu protótipo responder da forma que eu quero?”. Isso faz com que a robótica para crianças estimule formas diferentes de resolução de problemas, até mesmo em outras disciplinas.

É preciso que os alunos trabalhem sua criatividade na construção de um protótipo. A ideia é que o professor (ou as próprias crianças) identifique um problema – social, na escola, na sala de aula – e proponham ideias para resolvê-lo.

Tudo na tecnologia deve seguir uma ordem predeterminada. Não há atalhos ou degraus para pular, e sim  uma ordem e hierarquia que os alunos devem aprender a respeitar se quiserem concluir seus projetos. Não adianta desenvolver toda a carcaça de um robô, por exemplo, sem saber se todos os circuitos caberão na parte interna. É inegável, então, que os alunos que praticam a robótica educacional desenvolvem um senso de organização e paciência extremamente importantes para as outras disciplinas.

  • Desenvolvimento de habilidades interdisciplinares

As habilidades desenvolvidas na robótica educacional também se atrelam diretamente às demais disciplinas. Além de estimular a criatividade, a organização e o raciocínio lógico, a tecnologia na escola também oferece links com as áreas de física, matemática, biologia, eletrônica, engenharia, etc. A depender do problema proposto pelo professor, também é possível aproximar o projeto de temas sociais, usando matérias como sociologia, filosofia e outras.

Nem todos os alunos vão tirar de letra todas as etapas da robótica educacional. Alguns se apresentarão melhores no acabamento, outros na programação, outros nos circuitos internos. Por isso, é extremamente importante que o trabalho em equipe seja incentivado. Num projeto como esse, dificilmente alguém fará tudo e “colocará o nome dos colegas”. Todos participarão e contribuirão de alguma forma, criando um verdadeiro espírito de equipe.

Como aplicar a robótica educacional na minha escola?

Existem, hoje, diversas escolas que aplicam a robótica educacional no currículo dos alunos. Porém,  ainda é comum encontrá-la como atividade extracurricular, ou como um projeto interdisciplinar que abarca as disciplinas de exatas, como física e matemática.

Entretanto, ainda é maioria o caso de escolas que não comportam a robótica para crianças e jovens em seus currículos. Principalmente as públicas. Isso, porém, não é motivo para desânimo! Existem diversos cursos e escolas particulares que oferecem parcerias com a rede pública. Universidades também realizam projetos similares, como a Iniciativa Computação na Escola, desenvolvida pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que leva robótica de modo totalmente gratuito a alunos que não teriam acesso.

Vale, então, a conversa com a gestão escolar e a busca por parcerias e patrocínios a fim de aplicar a robótica educacional, revolucionando o aprendizado dos alunos.

Fontes:

https://www.happycodeschool.com/blog/robotica-para-criancas/

https://escolasexponenciais.com.br/tendencias-e-metricas/robotica-para-criancas-por-que-ensinar/ 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.