O inconformado

O sapo Ram sentia-se muito desgraçado, pois achava tudo ruim e desagradável. Era inconformado por natureza. Renegava até sua própria condição de sapo.

– Por que terei nascido sapo? Não poderia ter nascido um lindo lince, ou alguma dessas aves maravilhosas que voam pelo céu? Quem é o responsável pela minha condição de sapo? Quem decide o que cada um vai ser e quem lhe deu licença de me transformar em um sapo feio e repelente? Bah! São perguntas às quais ninguém pode responder, queixava-se Ram constantemente.

Os seus amigos, muito espantados com esses argumentos, tentavam mostrar-lhe as vantagens de ser sapo.

– Olhe, Ram. Ser sapo é algo digno e maravilhoso, porque tudo na vida tem um sentido profundo e encantador. Pode ser que o lince seja mais bonito que nós. Mas, com certeza, nós temos qualidades que ele não possui. E assim é com tudo. Tanto direito à vida temos nós como qualquer outra criatura da Criação. Você deveria sentir-se muito satisfeito por ser sapo, dizia-lhe Jip, o mais inteligente do grupo.

Tempo perdido. Ram, longe de admitir essas ideias, tornava-se cada vez mais rebelde e amargo. Com muita pena, os seus colegas deixaram de tentar convencê-lo e se afastaram dele. Ram, o infeliz, foi-se consumindo lentamente por dentro. Ele mesmo forjava a sua perdição.

Amigo, o poder de nossos pensamentos é imenso e, como qualquer outra coisa, pode ser usado em nosso benefício ou em nosso próprio prejuízo.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.