Mãe só por um dia

Sendo mãe de três lindas crianças, tenho muitas lembranças especiais para contar. Mas foi com uma criança que não era minha que vivi um momento especial pelo qual tenho muito carinho.

Recomendado pela residência para meninos onde morava, Michael veio, no último verão, para a nossa colônia de férias que reunia crianças com baixa autoestima. Aos doze anos, já passara por maus momentos. Órfão de mãe, o pai o trouxera de um país destruído pela guerra para os Estados Unidos, para que pudesse ter “uma vida melhor”. Infelizmente, fora entregue a uma tia, que o maltratara física e emocionalmente. Tornou-se um menino insubordinado e hostil, com pouca responsabilidade e acreditando que não era amado.

Na colônia, ela andava com outros garotos problemáticos e desordeiros, uma verdadeira gangue, um desafio para os supervisores. Mas nós procurávamos aceitá-los e amá-los como eram. Entendíamos que seu comportamento era um reflexo do quanto foram maltratados. Colocávamos limites com firmeza, mas afetuosamente.

Pela quinta noite da nossa experiência de uma semana, combinamos com as crianças um acampamento sob as estrelas. Michael disse que ia ser uma chatice e que não iria. Aceitei sua recusa, para não criar problema e mantivemos o programa com os outros.

Chegando a noite, a lua no céu, as crianças começaram a arrumar os sacos de dormir sobre um enorme deque perto do lago. Vi Michael se aproximando, sozinho, a cabeça baixa. Ele veio rapidamente em minha direção e, antes que falasse alguma coisa, eu disse: “Michael, vamos pegar seu saco de dormir e achar um bom lugar para você perto de seus amigos.”

“Não tenho saco de dormir”, ele falou baixinho.

“Isso não é problema! Vamos abrir umas sacolas e pegar uns cobertores!”

Imaginei ter resolvido o dilema e fui andando. Michael segurou minha blusa e me afastou do grupo.

“Anne, preciso lhe contar uma coisa.” Vi a hostilidade no rosto daquele menino endurecido se desmanchar e, baixinho, ele continuou: “Anne, tenho um problema…Eu… eu faço xixi na cama, molho o lençol todas as noites.”

Extremamente emocionada, coloquei o braço em torno do seu ombro e agradeci por ele ter tido confiança em mim. Disse que compreendia seu problema e perguntei como poderia ajudá-lo. Juntos, combinamos que ele poderia dormir sozinho em sua cabana, sem que os outros meninos percebessem.

Voltei com ele para a cabana e, no caminho, perguntei se não estava com medo de dormir sozinho. Michael me afirmou que isto não era nada perto das situações que já enfrentara nos seus doze anos de vida. Virei o colchão, protegi-o com um plástico e, enquanto colocávamos na cama seu último jogo limpo de lençóis, conversamos sobre as dificuldades por que passara e sobre seu desejo de que o futuro fosse diferente. Segurando sua mão, afirmei que ele tinha a força necessária para fazer de sua vida o melhor possível. O menino hostil e endurecido transformou-se numa criança doce e afetuosa.

Michael se deitou e eu o cobri, puxando o cobertor até o queixo. Acariciei seus cabelos e beijei sua testa. “Boa noite, Michael, fique sabendo que você é um garoto maravilhoso!”

Ele se remexeu e suspirou fundo: “Boa noite. Sabe que, desde que minha mãe morreu, ninguém tinha feito isso comigo. Obrigado por tudo.”

“De nada, querido”, respondi, abraçando-o. Eu chorava quando me virei para sair, levando três conjuntos de lençóis, sujos. Não tornei a ver Michael depois da colônia, mas rezo por ele todos os dias, desejando que aquele momento de afeto e acolhida tenham podido contribuir para sua felicidade.

Anne Jordan – Histórias para Aquecer o Coração das Mães
Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Jennifer Read Hawthorne e Marci Shimoff
Editora Sextante

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.