Longevidade

Há muitos anos, quando ainda era residente de endocrinologia na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, atendi um senhor de bastante idade, e como era cardiopata, diabético, hipertenso e obeso, fui orientada a fornecer-lhe a dieta adequada para suas várias doenças.

Isso significava uma dieta restrita em sal, com valor reduzido de calorias e abolição total de doces (na época não existiam os diets), e nem pensar em chegar perto de bebidas alcoólicas.

Esmerei-me ao máximo nos meus conhecimentos dietéticos e, como todo médico jovem, repleto de boas intenções e sem flexibilidade, fui derrubando todos os pequenos prazeres do meu roliço paciente. Aos poucos percebi que a sua fisionomia ia aos poucos tomando um ar maroto de menino travesso.

Enfim finalizei minha reeducação alimentar perfeita no papel — hoje reconheço dificílima de ser executada.

O paciente então lascou-me uma pérola: “Doutora, vida não é comprimento, é largura!”

Nunca mais esqueci.

Eliana Franzoi Fam – Endocrinologista e nutróloga
Histórias & Estórias Médicas – Vol.IX – 2012 – Evangraf- Unimed

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.