Fábulas de Esopo sobre o golfinho

0

O golfinho, as baleias e a carpa

Golfinhos e baleias se engalfinhavam. A batalha renhida já durava muito tempo,quando, vindo das profundezas, uma carpa tentou reconciliá-los.Mas um dos golfinhos falou:

– Antes morrer sob os golpes de nossos adversários que te ter como mediador!

Em tempos de conflito, os insignificantes querem se fazer de importantes.

O leão e o golfinho

Um leão que perambulava por uma praia cruzou com o olhar de um golfinho. Logo convidou-o a se juntar a ele.

– Eu e tu faremos uma dupla perfeita, pois reinamos, tu sobre os animais marinhos, e eu sobre os terrestres.

O golfinho aprovou com alegria essa ideia. Ora o leão mantinha de longa data uma guerra contra um touro selvagem. Pediu então a ajuda do golfinho. Mas este, por mais que tentasse sair da água, não conseguia, e o leão acusou-o de traição. O golfinho respondeu:

– Não me acuses, é minha natureza que me faz viver na água não me permite pisar em terra firme.

devemos escolher os aliados que possam nos socorrer em hora de perigo.

O macaco e o golfinho

Os marinheiros têm o hábito de levar a bordo cãezinhos de malta e macacos: esses animais os distraem enquanto navegam. Por isso um homem viajava em companhia de um macaco. Ora, na altura do cabo Súnio, no sul da Ática, estourou uma violenta tempestade. O navio naufragou e todos, o macaco inclusive, viram-se às voltas com as ondas. Um golfinho viu o animal e, achando que se tratava de um homem, colocou-o nas costas e levou-o à terra firme. Ao chegar a Pireu, o porto de Atenas, o golfinho perguntou se ele era ateniense.

– Sim – respondeu o macaco – , e de boa origem.

– E conheces o Pireu? – perguntou o golfinho.

– É um dos meus melhores amigos – respondeu o macaco.

A impostura desagradou ao golfinho: mergulhou no mar profundo e o macaco morreu.

Isto é uma advertência àqueles que, ignorando a verdade, procuram enganar os outros.

O atum e o golfinho

Perseguido por um golfinho. um atum fugia provocando enormes remoinhos na água. Já estava prestes a ser capturado quando, levado por sua própria força, foi dar sem querer na praia. O golfinho foi também lançado longe das águas. Vendo que seu inimigo estava morrendo o atum lhe disse:

– Para mim a morte não me entristece mais, pois comigo vai aquele que me levou até ela.

Do livro: FÁBULAS – Esopo – L&PM pocket

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.